ALÉM DAS “PORTAS DA PERCEPÇÃO” EM SAMPA… – Sérgio Barbosa – Artigos

“Tudo o que é desordem, revolta e caos me interessa; e particularmente as atividades que parecem não ter nenhum sentido. Talvez seja o caminho para a liberdade. A rebelião externa é o único modo de realizar a libertação interior.” (Jim Morrison)

Sérgio Barbosa (*)

Até hoje, muitas pessoas, entre as quais os/as ex-alunos/as que eram e ainda são “roqueiros” de um jeito ou de outro neste tempo novo tempo para o ROCK AND ROLL, faziam e fazem a mesma pergunta,, ou seja, de onde vem essa “paixão sem limites” pelo THE DOORS???


No início dos anos 70 em OURINHOS, ainda, adolescente tive contato com alguns clássicos do ROCK AND ROLL por meio de um amigo que se perdeu no tempo daquele tempo, o “Marrecão” que curtia e muito, BLACK SABBATH, BAD COMPANY, NAZARETH e outras bandas…


Porém, foi no início dos anos 90, quando estava caminhando pela Avenida Brigadeiro Luís Antônio no centro de SAMPA que sem mais e sem menos, olhei e vi um cartaz anunciando um filme, a saber: THE DOORS…


Até aquele momento, ou seja, antes de resolver e entrar no Cinema, nunca havia ouvido falar dos THE DOORS, mesmo conhecendo muitas outras bandas denominadas de Clássicas do ROCK AND ROLL…


Pensei aqui e ali, porém, resolvi entrar para conferir “in loco” essa Banda sem mais e sem menos, confesso que no início do filme com a introdução de “THE MOVIE” com ”performed by Jim Morrison and music the doors”, bem como, acompanhando aquelas frases e a respectiva tradução, acredito que tive um desencontro além do tempo com aquele tempo com JIM MORRISON AND THE DOORS…


Bom, depois do término do filme, “só sei que nada sei” e talvez tenha ficado sentado na poltrona na espera disto ou daquilo, entretanto, quando estava na avenida para procurar o meu rumo para algum lugar, penso que devo ter ficado um tempo deste tempo “meditando” no que havia acabado de assistir no Cinema…


Não deu outra, sendo que tive que deixar de lado outras “paixões”, entre as quais, THE ROLLING STONES, JOHN ONO LENNON e PINK FLOYD para um desencontro além das “portas abertas” e viajando pelas “portas da percepção” e até hoje, ainda, continuo buscando ultrapassar essas PORTAS…


Depois deste desencontro com o filme THE DOORS, isso sem comentar outra performance artística do ator que representou JIM MORRISON com uma maestria além das “PORTAS DA PERCEPÇÃO”, ou seja, VAL KILMER, também, a atriz que representou divinamente a namorada do Rei Lagarto, PAMELA COURSON com a performance de MEG RYAN…


Os demais atores que marcaram presença na formação da Banda, além da direção que abriu as “portas”, OLIVER STONE, marcaram muito mais do que presença neste filme, entendo que foram além das “portas da percepção” com a benção do XAMÃ que estava dando a maior força pra turma…


Talvez, continuem em outro texto tais divagações que sempre estão no meu caminho de um jeito ou de outro, porém, fico por aqui como sempre, com muitas reticências para que as “portas” continuem mais abertas do que nunca…
QUEM ASSISTIU O FILME VAI SABER…


(*) jornalista diplomado e professor universitário.
E-mail: barbosa.sebar@gmail.com