Polícia de Minas mata 25 em operação contra ‘novo cangaço’ em Varginha

Uma operação conjunta entre as polícias Militar e Rodoviária Federal, terminou, na madrugada deste domingo (31), com a morte de 25 suspeitos de estarem planejando assaltos a banco na cidade de Varginha (MG). Não há registro de policiais mortos ou feridos.


Investigação da polícia aponta que quadrilha planejava um roubo de R$ 65 milhões em cédulas armazenadas em um centro de distribuição de valores do Banco do Brasil, segundo o UOL apurou e foi inicialmente revelado pela Revista IstoÉ. A informação foi confirmada pelo UOL com a PM. É o mesmo tipo de alvo da ação em Araçatuba (SP), quando uma quadrilha planejou um assalto de R$ 90 milhões em um roubo fracassado na madrugada de 30 de agosto.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, houve confrontos em duas chácaras. Na primeira abordagem, foram mortos 18 suspeitos e apreendidos dez fuzis, munições, granadas e dez veículos roubados.


Na segunda ação, a polícia relatou que houve intensa troca de tiros, e sete suspeitos foram mortos, com três armas recuperadas, além de explosivos. A Polícia Civil de Minas Gerais informou que está se deslocando para a cidade para fazer a perícia e dar suporte à investigação do caso.


O tenente-coronel Flávio Santiago, do setor de comunicação da PM de Minas Gerais, disse que a intenção era prender os dois grupos de criminosos, mas houve reação. Como, segundo Santiago, os policiais ocupavam uma posição privilegiada, nenhum deles ficou ferido.


Os corpos foram levados ao IML (Instituto Médico Legal) em Belo Horizonte, onde passarão necropsia e serão identificados, informou a Polícia Civil de Minas Gerais.


Na operação, foi apreendida uma carreta com um compartimento secreto que, segundo a Polícia Civil, seria usada na fuga após o assalto.


Maior operação contra o ‘novo cangaço’, diz PM
Em uma postagem em redes sociais, a porta-voz da PM de Minas Gerais, capitã Layla Brunella, classificou a operação como “provavelmente a maior” já realizada contra o chamado “novo cangaço”:


“Muito provavelmente é a maior operação contra o ‘novo cangaço’ feita no país. Os infratores provavelmente fariam um roubo na data de amanhã, ou hoje, e foram surpreendidos pelo nosso serviço de inteligência integrado à Polícia Rodoviária Federal”.


A porta-voz mostrou em vídeo parte dos armamentos apreendidos. Nas imagens, é possível ver pistolas, fuzis e carregadores. Também há uma série de coletes, galões de combustível, e artefatos conhecidos como miguelitos, usados para furar pneus.


Layla defendeu a ação da polícia como “pautada na legalidade”:
“Não vamos comemorar nenhuma morte, mas sim uma ação precisa de um trabalho conjunto com a inteligência da PRF. Ações como essa sempre serão pautadas na legalidade. A gente só fez aqui responder à altura o risco que os policiais sofreram”.


Radiografia dos mega-assaltos no país
O UOL teve acesso a uma lista de dez ataques a centrais de distribuição de dinheiro do Banco do Brasil em um intervalo de cinco anos com três roubos aos moldes da tática também conhecida como domínio de cidades, quando criminosos atacam municípios pequenos com fuzis, explosivos e veículos blindados.

O último caso ocorreu na madrugada de 30 de agosto em Araçatuba (SP), com alvo avaliado em cerca de R$ 90 milhões.


Os alvos dos últimos roubos foram as sedes do Seret (Setor de Retaguarda e Tesouraria) do Banco do Brasil, centrais de distribuição de cédulas para outras agências bancárias que executam a função do Banco Central em cidades do interior.


Essas unidades funcionam como uma espécie de reserva de cédulas para outras agências, armazenada com base em depósitos compulsórios, como é chamada a alíquota obrigatória de 17% que não pode ser movimentada para garantir a segurança nas operações com notas.


O levantamento dos ataques às sedes das centrais de distribuição de dinheiro no país faz parte de um estudo elaborado pelo Batalhão de Operações Especiais da PM-SP (Polícia Militar de São Paulo), que analisa esses casos para aprimorar as estratégias de ações nas ocorrências.


“A gente estuda essas ocorrências para criar protocolos de atuação, como condutas de patrulha, atendimento pré-hospitalar, gerenciamento de crises, cursos com explosivos, entre outros”, explica o tenente-coronel Valmor Saraiva Racorti, comandante da unidade.


Escalada da violência
Os dados das ocorrências indicam uma escalada da violência nas ações, em cidades com até 150 mil pessoas —exceção a Araçatuba (SP), com 200 mil; e Uberaba (MG), com 333 mil moradores. Varginha (MG) tem cerca de 137 mil.


No ataque a Passos (MG), em abril de 2018, os criminosos passaram a usar armas com calibre .50. Em Ourinhos (SP), em maio de 2020, esses ataques passaram a contar com o monitoramento com o auxílio de drones.

Com mortes, reféns e uso de explosivos, o assalto a agências bancárias em Araçatuba é apontado como o mais violento do tipo nos últimos dois anos pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O número de detonadores foi o maior da história do país, segundo levantamento inédito feito pela Associação Mato-Grossense para o Fomento e Desenvolvimento da Segurança a pedido da reportagem.

Ruben Berta e Herculano Barreto Filho – Do UOL, no Rio e em São Paulo.

Fotos – Armas apreendidas em Varginha (MG) durante operação contra assaltos a banco – Imagem – Divulgação.